Vinho tem validade? Como armazenar? Tire suas dúvidas com a I Love Vinhos!

Um dos maiores mitos entre quem não consome vinhos, ou consome de forma mínima, é de que quanto mais tempo armazenado e envelhecido, melhor o sabor e a qualidade da bebida. Mas será que é assim mesmo? Será que o vinho realmente tem ou não validade? Bom, na verdade, isso é realmente só um mito!

É possível encontrar em diversas garrafas de vinhos, no rótulo, a frase “validade indeterminada!”, ainda assim, isso não significa que esse vinho pode, ou deva, ficar armazenado envelhecendo na esperança de adquirir mais sabor ou qualidade, afinal, isso não vai acontecer! Existem vinhos que dependem sim de um tempo bem maior de maturação para que sua estrutura de aromas e sabores sejam desenvolvidas por completo, após esse tempo, não existe mais motivos para serem mantidas armazenadas. Ao menos não para que sua qualidade aumente.

Em sua grande maioria, os vinhos produzidos ao redor do mundo, principalmente os vinhos vendidos mais populares, são feitos para serem consumidos rapidamente, entre um e 5 anos, sem nenhuma necessidade de envelhecimento. Isso não significa, claro, que sejam vinhos de baixa qualidade, esses são vinhos de fermentação rápida que adquirem sabor e aroma em pouquíssimos tempo devido suas receitas mais dinâmicas.

O problema aqui não é o tempo ao qual o vinho foi designado e produzido para ser consumido, mas sim o contato com o oxigênio do ambiente ao qual está exposto. Esse contato somado a certas substâncias da bebida gera algumas reações químicas que levam a sua oxidação. Caso seja exposta por muito tempo, o vinho simplesmente azeda perdendo todas as suas características, e como muitos dizem por aí, vira vinagre.

Vinhos feitos para suportar armazenagem, ou guarda, tem características específicas, como boa estrutura de acidez, taninos, açúcar e álcool, e são elaborados exclusivamente para o envelhecimento. Esse tipo de vinho é chamado de “vinhos de guarda”. Saiba mais sobre o envelhecimento correto dos vinhos a seguir!

Quais vinhos precisam ser envelhecidos e quais não precisam?

Vinhos mais populares, como os vendidos em supermercados, por exemplo, são fabricados para consumo imediato, sem nenhuma necessidade de armazenagem prolongada, já que chegam às prateleiras totalmente maturados. Existem diversas marcas que produzem vinhos assim e muitos desses vinhos são de ótima qualidade, muitas vezes com preços muito interessantes também.

Vinhos produzidos para armazenagem são feitos para que sua maturação seja prolongada durante anos, sendo o processo de fabricação mais lento. Esses vinhos são produzidos em escala muito pequena e ocupam uma parcela também muito pequena do mercado enólogo, fazendo-os quase que exclusivos e elevando bastante seus preços.

Vinhos Brancos e Rosés

Em geral, os vinhos que menos suportam prazo prolongado guardados, ou seja, com durabilidade de armazenamento mínimo, entre 1 e 3 anos, são os vinhos brancos e rosés. Vinhos desse tipo têm pouco contato com a pele da uva durante a prensagem, o que acaba gerando pouco desenvolvimento de tanino, ocasionando na baixa preservação da bebida.

Vinhos Tintos Jovens

Vinhos mais frutados e leves, chamados de tintos jovens, acabam tendo maior contato com a casca da uva após a prensagem, gerando mais tanino, o que acarreta em uma evolução, ou maturação mais lenta, proporcionando um prazo maior de armazenagem – de 5 à 6 anos.

Por passarem por uma vinificação mais simples e menos custosa quanto a sua conservação, esses vinhos, também feitos para consumo rápido e que permitem serem guardados por mais tempo, costumam ser mais baratos e fáceis de encontrar em qualquer mercado.

Quanto maior a qualidade dos produtos, maior o tempo… e o valor!

Aqui entramos em uma área mais elaborada de produção de vinhos. Chamados de vinhos de guarda, seu processo de fabricação exige maior cuidado de produção, além da utilização de uvas específicas para alcançar certos sabores. Devido a todos os seus processos e etapas de produção, esses vinhos acabam consequentemente sendo muito mais caros.

Os vinhos de guarda costumam ser vendidos já com alguns anos de envelhecimento, entre 1 e 5 anos dependendo do tipo, e são guardados logo em seguida, podendo ficar armazenados, nas condições ideais, por até 30 anos. Esses tipos de vinho mudam de sabor consideravelmente ao longo dos anos, já que precisam de muito tempo para maturar seus aromas e sabores e não devem ser consumidos antes de alcançar seu auge.

Algumas dicas de como armazenar seu vinho

Uma coisa já ficou clara, cada tipo de vinho tem um tempo de validade específico e isso é uma regra muito importante que precisa ser seguida. Para não acabar com uma garrafa de vinagre, simplesmente porque ela foi armazenada por anos a fio sem necessidade, é preciso também entender como armazenar seu vinho.

O local, a temperatura e a umidade são elementos de suma importância quando se trata de conservar seu vinho, seja aquele vinho mais barato, e super gostoso, ou mesmo um mais caro que necessita de mais tempo guardado.

  • Evite balançar a garrafa, ou movimentar demais o vinho dentro dela, isso gera desgaste e “estresse” na bebida alterando sua base e podendo oxidar mais rápido;
  • Escolha um local afastado e preferencialmente isolado da luz artificial e natural. A luz acaba gerando calor excessivo na bebida prejudicando sua maturação;
  • De preferência por locais arejados, frescos e ventilados, com temperaturas noturnas mais baixas e sem oscilação, entre 12ºC e 16ºC;
  • Locais instáveis também podem prejudicar o conteúdo. Como já dito, balançar e mover demais as garrafas podem acarretar em uma quebra no desenvolvimento do sabor. Estantes e eletrodomésticos não são recomendados;
  • Horizontal ou vertical? Não existe um consenso exato sobre qual opção é melhor ou pior, ainda sim, muitos especialistas preferem e recomendar que a garrafa seja armazenada na horizontal já que coloca o vinho dentro da garrafa em contato com a rolha hidratando a mesma e evitando seu ressecamento;
  • Adegas climatizadas são ótimas opções, mas não são necessárias. Caso exista alguma condição de armazenagem natural em sua casa, até mesmo apartamento, e considerando todas as dicas anteriores, uma adega climatizada acaba sendo apenas um gasto extra. Ainda sim, caso você more em uma cidade com temperaturas muito altas, cidades de litoral, por exemplo, a adega climatizada é uma opção muito boa. O acessório também é ótimo para residências com pouco espaço.

Um último detalhe!

Lembre-se sempre de que vinhos, por mais caros que sejam, têm o tempo de validade e vale a pena pesquisar sobre a marca e o tipo de vinho que você compra para saber os detalhes. Olhe no rótulo, no site do fabricante, na embalagem, mas fiquei atento ao tempo de armazenagem indicado.

Não vai adiantar nada você comprar um vinho bom e de qualidade, mesmo que seja de um preço mais baixo, armazená-lo e esquecê-lo por completo. Depois de algum tempo ele pode simplesmente estragar e você não irá notar de imediato. Aprenda aqui a identificar um vinho estragado!

Seja como for, siga sempre esses passos e você irá garantir sempre um vinho gostoso e pronto para consumo. Afinal, toda a degustação e experiência depende de um bom vinho, independentemente de seu preço, mas sim de sua qualidade. Saiba o que fazer com vinho que sobrou aberto!

 

Não deixe de acompanhar nossas outras dicas aqui no blog I Love Vinhos!

Delci Werle é sommelière gaúcha, casada, mãe de duas filhas. Da família de descendência alemã, herdou a paixão por vinhos e gastronomia. Com o marido, veio o empreendedorismo e a distribuição de bebidas em São Leopoldo, Rio Grande do Sul.

No currículo, cursos e conhecimentos diversos. Graduada na área da educação nos anos 80, passando por Secretariado Bilíngue (Unisinos) e mais recentemente um MBA em Inovação, Liderança e Gestão 3.0 (PUC-RS), Delci já trabalhou como professora e por longos anos esteve na indústria.

De 2009 pra cá, a gestão dos negócios tomou conta da sua rotina em definitivo. Atualmente, Delci está à frente da Werle Comercial, um dos maiores e-commerces de bebidas do Brasil. Ela sabe que empreender não é tarefa fácil atualmente, mas o desafio também é seu hobby: “o empreendedor deve estar em constante atualização, sempre atento às tendências de comportamento dos consumidores. Tenho sede por conhecimentos, novidades. Estou sempre me atualizando e de olho no que acontece no mercado!”.

Deixe um comentário